Delações de Cunha e da Gol podem detalhar crime em fundo FI-FGTS

Folha:

Eraldo Peres/Associated Press
FILE - In this Sept. 12, 2016 file photo, Brazil's former President of the Chamber of Deputies Eduardo Cunha takes a break during the presentation of his defense at the Chamber of Deputies in Brasilia, Brazil. Cunha, who's in custody awaiting trial in a corruption case, has told a court that he has a brain aneurism. But on Wednesday, Feb. 8, 2017, prison official Luiz Alberto Cartaxo de Moura says Cunha refused tests. (AP Photo/Eraldo Peres, File) ORG XMIT: XLAT101
Eduardo Cunha
Centro das investigações que levaram à prisão de Geddel Vieira Lima, um dos ex-ministros mais próximos de Michel Temer, o fundo FI-FGTS nasceu com o objetivo aplicar o dinheiro do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço do trabalhador em obras do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento).
A medida, criada em 2007 pelo então presidente Lula (PT), parecia distribuir vantagens para todos os lados.
Numa ponta, o trabalhador lucraria com aplicações que prometiam render mais que os ganhos pagos no fundo tradicional. No âmbito geral, o país se beneficiaria do financiamento aos setores de transporte, habitação, energia e saneamento básico.
A Lava Jato mostrou, no entanto, que políticos do PMDB, liderados por Eduardo Cunha (RJ), e executivos e conselheiros da Caixa Econômica Federal, que administra o fundo, cobravam propina de empresários interessados em dinheiro do FGTS.
Além de Geddel (PMDB-BA), que foi vice-presidente de pessoa jurídica na Caixa entre 2011 e 2013, as operações Sepsis e Cui Bono? apontam a participação do ex-ministros Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN) e do operador financeiro Lúcio Funaro, também presos, no esquema.
Até agora, todos negam envolvimento em crimes, mas tanto Cunha quanto Funaro negociam acordos de colaboração premiada.
Delatores da Odebrecht também relataram o pagamento de propina para que o fundo comprasse participações acionárias do braço ambiental e de transportes da companhia baiana e adquirisse certificados públicos que financiariam obras da empreiteira no Rio de Janeiro.
Entre as empresas acusadas de pagar suborno estão a Eldorado Celulose, de Joesley Batista, e a BR Vias, da família Constantino, dona da Gol Linhas Aéreas.
TEMER
As apurações resvalam em Temer, que não é oficialmente investigado no caso. Apontados como líderes do esquema, Cunha, Geddel e Henrique Alves foram aliados muito próximos do presidente.
Cunha incluiu Temer na sua lista de testemunhas e enviou a ele perguntas sobre sobre fatos investigados pela Polícia Federal. Fez questionamentos sobre um caso envolvendo Henrique Constantino, dono da Gol, que teria pago propina para conseguir um financiamento de R$ 300 milhões do fundo para uma de suas empresas, a BR Vias.
"Vossa Excelência conhece Henrique Constantino? Esteve alguma vez com ele? Qual foi o tema? Tinha a ver com algum assunto ligado ao financiamento do FI-FGTS?", perguntou Cunha. No relatório da operação Cui Bono? a Polícia Federal mostra trocas de mensagens de celular entre Cunha, Funaro, Geddel e o ex-vice presidente da Caixa Fábio Cleto operando em favor da BR Vias.
Constantino negocia há meses um acordo de delação em que pretende contar que pagou R$ 10 milhões em propina em troca da liberação do financiamento para a BR Vias. Um dos anexos da proposta relata que após negociar o suborno com Cunha, Constantino reuniu-se com Temer para validar o acordo.
Segundo Constantino, Cunha não falou de propina nesse encontro, mas sim de apoio do empresário ao grupo político de Temer. O encontro aconteceu em 2012 e não constou da agenda oficial do então vice-presidente.
FRAGILIDADE
O patrimônio do fundo somou R$ 31,9 bilhões no final de 2015, data do último relatório disponível. Levantamento feito a partir de um sistema da Receita Federal aponta que grande parte das cerca de 800 empresas processadas pelo Leão em razão da Lava Jato, devedoras de R$ 10 bilhões, tinha contratos com o FI-FGTS.
Segundo o economista Claudio Frischtak, a corrupção foi facilitada pela fragilidade dos mecanismos de controle da instituição. "Transparência é fundamental. As propostas devem ser publicadas com antecedência e as pessoas devem poder questionar antes de o investimento ser feito", diz.
Frischtak defende que o fundo é uma boa iniciativa. "É realmente uma discussão oportuna saber o que fazer para que o dinheiro do trabalhador tenha um rendimento melhor. É preciso olhar para frente, entender o que precisa ser feito para que não haja desvios", afirma.
Núcleo de Imagem/Folhapress
CORRUPÇÃO SEM FUNDO > FI-FGTS está no centro de denúncias da Lava Jato

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

"VOCÊ FAZ FAXINA?" "NÃO, FAÇO MESTRADO. SOU PROFESSORA"

PAULA MAGALHÃES, FILHA DE LUIS EDUARDO MAGALHÃES, DONA DE 33% DA REDE BAHIA, É A DONA DA AXXO

ELIKA TAKIMOTO: COTAS, ESCOLA PÚBLICA. A REALIDADE É DURA MAS MUTÁVEL.