Médicos não amam a morte

bocadoacre
Não dá nenhuma alegria a decisão dos empregadores de dois dos médicos envolvidos na monstruosa chacota feita nas redes sociais com o AVC de Marisa Letícia Lula.
Também não tenho “peninha” do que lhes aconteceu: são adultos e caso se pretendam médicos  o mínimo que que se pode pedir a quem confiamos para nos abrir a barriga a bisturi é que saiba, ao menos, fechar a própria boca  quando o ódio quer transformá-la em cloaca.
O que me entristece, mesmo, são duas outras coisas.
O primeiro é o grau de degradação no comportamento humano é tanto que chegamos a um ponto em que xingar tornou-se algo que perdeu todos os limites, até os da decência profissional.
E não pense que é só à direita, não: há os que se dizem de esquerda mas não vão além de querer, como um Bolsonaro, a desgraça, a supressão, a morte  de alguém por suas convicções.
Este, o campo do ódio, é o terreno deles e não vou dar ao meu adversário a vantagem de jogar na sua casa de horrores. Nosso campo é o da civilização, da humanidade, da dignidade e da tolerância.
O segundo, e isso é mais constrangedor, é que estas pessoas ganharam habilidades e conhecimentos médicos com o dinheiro da população, com o dinheiro do Estado brasileiro, na Universidade Federal do Mato Grosso do Sul,  mas não se sentem devedores – por isto ou por sua profissão – sequer de um mínimo de equilíbrio em seu comportamento social, que dirá de humanidade.
Hoje mesmo, cedo, li a mensagem de meu amigo – e médico – Eduardo Costa, comemorando o fato de, há 50 anos, ter entrado no Serviço Especial de Saúde Pública (SESP), criado por Vargas e ampliado por Juscelino – um “Mais Médicos” de 70 anos atrás, e com apoio não dos cubanos, mas de Franklin Roosevelt –  para levar saúde à Amazônia e ao Vale do Rio Doce. Ambos eram quase desertos humanos, aos quais  a borracha e a exploração mineral levaram gente pobre, gente desassistida, igualzinho a milhões de brasileiros que ainda estão assim, nas lonjuras ou nas periferias urbanas.
Conta um pouco da história, dele e de outros médicos gaúchos que foram para a Amazônia, onde ” não tinha água encanada, e luz (só) de um motorzinho que funcionava das 19 às 21 horas”. Era a Boca do Acre, no Amazonas; era Brasil e era lugar onde havia seres humanos vindo de longe, como os 56 cearenses que fundaram o lugar, entre eles Alexandre de Oliveira Lima. que enricou e ganhou o apelido de Barão de Boca do Acre.
Isso, gente que veio de longe para essa terra de oportunidades, como vieram os Casa e os Rocco, pais e avós italianos de Marisa Lula e como vieram também os país e avós árabes do Dr. Richam, o que desejou que seus colegas fizessem logo ela “dilatar as pupilas”.
Ao longo da vida, alguns de meus melhores amigos foram ou são médicos. Sei que sua tristeza, neste momento, é maior que a minha, porque a profissão é, para muito de nós, a única religião e seu deus é a dignidade dos nossos semelhantes.
Nos anos 80, logo que surgiu a Aids e não havia praticamente com o que tratá-la, um deles que tratava pacientes muitas vezes  terminais, dizia que se não pudesse fazer mais nada, dar a eles o direito a morrer numa cama limpa era ser médico.
Os que fizeram esta brutalidade não são. Nem podem ser, até que se curem do ódio.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

PAULA MAGALHÃES, FILHA DE LUIS EDUARDO MAGALHÃES, DONA DE 33% DA REDE BAHIA, É A DONA DA AXXO

"VOCÊ FAZ FAXINA?" "NÃO, FAÇO MESTRADO. SOU PROFESSORA"

ELIKA TAKIMOTO: COTAS, ESCOLA PÚBLICA. A REALIDADE É DURA MAS MUTÁVEL.