A FOLHA INVENTOU? Alexandre de Moraes e as respostas polêmicas: "a imprensa inventa"

Alexandre de Moraes e as respostas polêmicas: "a imprensa inventa"

Sabatina deve terminar por volta das 20h30 desta terça, seguida de votação. Presidente do Senado, Eunício Oliveira, também pretende concluir votação do plenário imediatamente depois
 
Jornal GGN - Em sabatina, o indicado ao Supremo Tribunal Federal (STF) por Michel Temer, Alexandre de Moraes, negou ter trabalhado para a facção criminosa PCC, sobre as acusações de ter recebido R$ 4 milhões de empresa alvo da Operação Acrônimo disse ser "invenção da imprensa" e disse não existir "desmonte" da Lava Jato pelo governo.
 
Até o momento, foram quase seis horas de sabatina na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado. Sobre a Operação Lava Jato, tema recorrente e de interesse dos senadores, sobretudo os aliados e a cúpula peemedebista, Moraes minimizou as críticas contra o governo e sua atuação frente ao Ministério da Justiça.
 
Questionado sobre as mudanças que ocorreram na Polícia Federal desde a sua entrada, disse: "Não há desmonte [da Lava Jato]. Todos os delegados que saíram foram motivados por pedidos. Temos que lembrar que eles têm uma carreira", disse.
 
Entre os interessados no tema Lava Jato, o senador Aécio Neves (PSDB-MG) criticou os parlamentares, afirmando que era preciso "abandonar a disputa política" na sabatina. Sobre os questionamentos de que Moraes no STF é uma tentativa de Temer de atuar a favor de sua cúpula e governistas, uma vez que o novo ministro herdará a revisão da Lava Jato, Aécio disse que é preciso "superar essas sabatinas e ultrapassemos essa disputa menor, político-partidárias".
 
Ainda, criticado por atuar na defesa de tucanos e do PSDB, Alexandre de Moraes disse que se julga "absolutamente capaz de atuar com absoluta imparcialidade, absoluta neutralidade dentro do que determina a Constituição".
 
Não comentou outros temas delicados, como a atuação da Polícia Militar de São Paulo, durante manifestações no período em que era secretário estadual de Segurança Pública, a sua relação de atuação na advocacia para o ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) e sobre a sabatina informal no barco do senador Wilder Morais (PP-GO).
 
Sobre a acusação de ter advogado para o PCC, disse que um deputado estadual solicitou a seu irmão, vereador e cooperado da Transcooper, uma garagem emprestada para uma reunião, em 2014. Nesse encontro, estavam presentes duas pessoas investigadas por ligação com o PCC.
 
"Absolutamente nada ficou comprovado em reação ao deputado, à Transcooper, que emprestou a garagem, muito menos nada em relação ao escritório. Primeiro que [o escritório] não sabia da reunião, segundo nada sabia em relação à garagem", disse o ministro licenciado de Temer.
 
"Não tenho absolutamente nada contra aqueles que são, que exercem a advocacia dentro das normas éticas e legais em relação a qualquer cliente, inclusive o PCC. Jamais fui advogado do PCC e de ninguém ligado ao PCC", completou.
 
Sobre as acusações de ter praticado plágio do jurista espanhol Francisco Rubio Llorente, afirmou que a história foi "inventada" por um candidato reprovado de concurso público, disse que a reportagem da Folha de S. Paulo foi "maldosa" e que a viúva do autor teria sido "induzida pelo repórter" a se manifestar sobre o plágio.
 
"A imprensa inventa o que bem entender", disse, também, sobre a acusação de ter recebido R$ 4 milhões da JHSF, empresa alvo da Operação Acrônimo, e que teve a investigação arquivada monocraticamente pelo ministro do STF, Luiz Fux, sem aprofundar quaisquer apurações.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

"VOCÊ FAZ FAXINA?" "NÃO, FAÇO MESTRADO. SOU PROFESSORA"

PAULA MAGALHÃES, FILHA DE LUIS EDUARDO MAGALHÃES, DONA DE 33% DA REDE BAHIA, É A DONA DA AXXO

MULHERES CONTAM O PIOR SEXO DA VIDA! "O cara dormiu enquanto eu o chupava!"