Sete inúteis e dois brigando pelo governo

POR  


Serve-me de mote, quase de plágio, o post da criadérrima cobra Dácio Malta, referência para uma geração de jornalistas cariocas, onde ele alinhava a folha corrida dos Temer Men que aparecem aí na foto.
Faltam dois: Henrique Meirelles e José Serra, que serão assunto para o final.

Mas vamos à descrição de Dácio: curta e grossa.
Os homens de Temer da esquerda para direita.
Moreira Franco – A ultima eleição que concorreu foi para prefeito de Niterói. Chegou a ir para o segundo turno, mas por motivos até hoje nebulosos renunciou a candidatura. Depois disso não foi candidato nem ao menos a deputado federal. Não tinha votos.
Henrique Alves – Sete vezes deputado federal concorreu ao governo do Rio Grande do Norte, com o prestígio de ser presidente da Câmara. Dono da afiliada da TV Globo teve, graças a coligação que formou, todo o tempo do mundo na TV: mais de 90%. Perdeu a
eleição para um candidato do PSD.
Romero Jucá – Senador serviu a todos os governos. Foi Sarney, foi Collor, foi Itamar, foi Fernando Henrique, foi Lula, foi Dilma e será Temer. Em 2019 apoiará o governo a ser eleito. Seja ele qual for.
Eduardo Cunha – Esse todos conhecem.
Eliseu Padilha – Outro sem voto. Não se elegeu nem ao menos deputado federal em seu Estado, o Rio Grande do Sul, onde é conhecido como Eliseu Quadrilha.
Geddel Vieira Lima – Outro derrotado. É da Bahia e também sem mandato.
Não tendo o que fazer, esses senhores são os animadores do golpe.
Michel Temer, outro sem voto, é o instrumento para que o Sindicato dos Ladrões chegue ao poder.
Se vencerem, terão pouco mais de dois anos para enriquecerem ainda mais.
Por isso a pressa.
O que vai sair daí? Uma nova política? O império da decência? Austeridade, moralidade, pureza?
Francamente, nem bebendo dá para acreditar por um instante.
É o ministério dos  inúteis, dos fracassados, dos que tem como resultado de sua carreira política nada mais que sua própria carreira.
Não produziram nada de bom para alguém senão para eles próprios.
Mas restam os dois indigitados: Meirelles e Serra.
A estratégia de Meirelles para obter alívio rápido da inflação chama-se câmbio. Ele está convencido – e com alguma razão, que os preços internos voltaram a ter o dólar como referência e vai trabalhar para a baixa da cotação ou a sua estabilidade, no curto prazo.
Meirelles trabalhará pela estabilidade;  já Serra trabalhará  por uma “janela de oportunidade” que possa atrair rapidamente capitais para o Brasil e isso implica em uma situação de maior fraqueza do real com, portanto, efeitos inflacionários.
Serra não será um chanceler geopolítico, mas financeiro.
Estes saõs os homens que importam no governo Temer.
Os outros, inclusive o próprio presidente-usurpador, serão meros figurantes.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

PAULA MAGALHÃES, FILHA DE LUIS EDUARDO MAGALHÃES, DONA DE 33% DA REDE BAHIA, É A DONA DA AXXO

"VOCÊ FAZ FAXINA?" "NÃO, FAÇO MESTRADO. SOU PROFESSORA"

ELIKA TAKIMOTO: COTAS, ESCOLA PÚBLICA. A REALIDADE É DURA MAS MUTÁVEL.