E agora, Moro? Delação não é prova, diz novo ministro do STF

20150319000312-13320.jpg-G2524CBP9.1

E agora, Moro? Delação não é prova, diz novo ministro do STF

O juiz Sérgio Moro, que recebeu propina da Globo, e toda a operação Lava Jato, que se transformou numa investigação política, acabam de sofrer um duro revés.
O novo ministro do STF, Luiz Edson Fachin, deixou bem claro: delação premiada não é prova. E completou afirmando que é preciso respeitar o direito à presunção da inocência.
Moro manteve e mantém um monte de gente presa, sem nenhuma prova, apenas com base em delações premiadas.
Tudo seletivo, claro, porque o principal delator (Youssef) afirmou que o senador Aécio Neves recebia 120 mil dólares por mês de propina, num esquema de Furnas, mas esse ninguém toca, por ser tucano e blindado pela mídia.
Moro também não respeita, em absoluto, o direito à presunção da inocência. A mídia idem.
***
No Conjur.
Delação premiada não pode ser considerada prova diz Luiz Edson Fachin
13 de junho de 2015, 11h18
A delação premiada não pode ser considerada como prova, mas como um indício que deverá ser apurado. A opinião é do professor Luiz Edson Fachin, que será empossado ministro do Supremo Tribunal Federal na próxima terça-feira (16/6). Segundo noticiou o jornal Gazeta do Povo, que participou de uma conversa de Fachin com jornalistas paranaenses na manhã de sexta-feira (12/6), em Curitiba, o futuro ministro destacou a importância de manter o direito de presunção de inocência.
No evento, Fachin afirmou que mesmo diante da “inércia legislativa”, o juiz não pode tomar o lugar do legislador. Para ele, o destaque que o Supremo vem ganhando na sociedade é reflexo do crescimento do acesso aos direitos, intensificado com a promulgação da Constituição Federal.
Entre os preparativos feitos para assumir a cadeira na corte, Fachin disse aos jornalistas que está transferindo todos os compromissos estabelecidos nas terças, quartas e quintas-feiras, para ter os dias completamente dedicados ao tribunal. Afirmou que não deixará de comparecer a nenhuma sessão do Supremo.
No exercício de ministro, o professor afirmou ainda que pretende ser discreto, principalmente ao se relacionar com a impressa. “O juiz fala no processo”, afirmou. Segundo ele, suas posições serão conhecidas com as intervenções que ele fizer no Plenário e em seus votos.
A posse Fachin será dia 16 de junho, no Plenário do Supremo, às 16h. Em seguida, o ministro recém-empossado se dirige ao Salão Branco para receber os cumprimentos, onde também será executado o Hino Nacional."
(Transcrito do Cafezinho)
Antonio do Carmo)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

PAULA MAGALHÃES, FILHA DE LUIS EDUARDO MAGALHÃES, DONA DE 33% DA REDE BAHIA, É A DONA DA AXXO

"VOCÊ FAZ FAXINA?" "NÃO, FAÇO MESTRADO. SOU PROFESSORA"

ELIKA TAKIMOTO: COTAS, ESCOLA PÚBLICA. A REALIDADE É DURA MAS MUTÁVEL.