Presidente da Johnson & Johnson no Brasil diz que situação econômica no Brasil não é tão boa e nem tão ruim

PREFIRO ESTA OPINIÃO À DA GLOBO.



Nesta quarta-feira (25), a presidente da Johnson & Johnson no Brasil, Maria Eduarda Kertész, durante fórum da Mulher Administradora, que acontece  em auditório da Casa do Comércio, no Caminho das Árvores, criticou sobre o tipo de liderança servidora. "[Essa liderança é ] achar que as pessoas estão ali para te servir. Acha que só você sabe e não ouve. A arrogância é um dos muitos problemas da liderança. Eu acho que tem que ouvir. Ter pessoas que te falem a verdade é muito importante. Como evitar, não sei, mas acho que humildade já vale", afirmou.


Durante palestra do fórum da Mulher Administradora, que acontece nesta quarta-feira (25), em auditório da Casa do Comércio, no Caminho das Árvores, a presidente da Johnson & Johnson no Brasil, Maria Eduarda Kertész, falou sobre a expectativa da economia brasileira. Para ela, a situação econômica não é nem tão ruim nem tão boa. 

"A qualidade de um profissional brasileiro hoje é o que que a gente aprende com essa volatilidade. Para ter plano B, descobrir alternativa para cortar custos. A mensagem que eu deixo para meu time é de deixar o pessimismo de lado. A gente tem que ser criativo e buscar vendas.  Todos os produtos, como Listerine e shampoo [produtos da Johnson & Johnson], ainda tem como crescer", disse Maria.

A gestora destaca a necessidade de protagonismo e gostar do que se faz: "Só depende de você e achar desculpa não resolve. E nada do que se faz sem paixão é bom", afirmou. Maria comentou também sobre o desafio de conciliar a vida pessoal e profissional. "Acho que para as mulheres é mais difícil, porque a gente se cobra mais. No meu caso, fui promovida a diretora de Marketing com 29 anos. Logo depois estava grávida. Eu vi que se não fosse naquele momento não ia ser em outro", enfatizou.

Presidente da Johnson & Johnson no Brasil fala sobre carreira: "Assumi posições de liderança cedo"


A presidente da Johnson & Johnson no Brasil, Maria Eduarda Kertész, abriu o ciclo de palestras do fórum da Mulher Administradora, que acontece nesta quarta-feira (25), em auditório da Casa do Comércio, no Caminho das Árvores. Ao começar a palestra, Maria salientou que não é uma especialista em liderança feminina, nem estudiosa do assunto, mas decidiu relatar a sua experiência profissional. "Sem que isso seja uma fórmula. As mulheres ainda são 5% nos conselhos de administração. Acho que o papel de cada um de nós é incentivar uma às outras", disse.

A gestora falou sobre sua carreira. Com 17 anos, ela foi morar em São Paulo, e de lá fez admnistração na Faculdade Getúlio Vargas. "Fui estagiária da Johnson & Johnson. Fui fazer especialização nos Estados Unidos e depois voltei ao Brasil. (...) Uma coisa que marcou minha carreira foi assumir posições de liderança cedo e muitas vezes sem estar preparada. Esses momentos onde a gente não se sente pronta é onde a gente mais aprende. Já vi muitas mulheres desistindo porque acharam que não dariam conta. E no final acho que a gente dá conta", contou."
(transcrito do Metro1)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

"VOCÊ FAZ FAXINA?" "NÃO, FAÇO MESTRADO. SOU PROFESSORA"

PAULA MAGALHÃES, FILHA DE LUIS EDUARDO MAGALHÃES, DONA DE 33% DA REDE BAHIA, É A DONA DA AXXO

ELIKA TAKIMOTO: COTAS, ESCOLA PÚBLICA. A REALIDADE É DURA MAS MUTÁVEL.